A lenda do Muembe

Por Rafael.

Muembe

O muembe é uma planta conhecida no Brasil como banana-de-macaco ou imbé. Sua característica de se enroscar no tronco das árvores gerou uma lenda no Paraguai.

Essa é mais uma história que envolve o amor entre dois jovens (Como os paraguaios gostam dessas histórias). Chihy um garoto guarani espreitava a aldeia de sua amada. Ele estava proibido de falar com ela, pois cada um deles pertencia a tribos rivais. Em um momento de distração, ele conseguiu encontrar a garota que procurava e ambos fugiram.

Acompanhe nossa webcomic.

O pai da garota ordenou um grupo para alcançar os dois. Depois de muito fugir, o casal acabou encurralado.  Não havia mais por onde escapar e eles apenas abraçaram-se fortemente. Tupã, observando tudo, se sensibilizou com a determinação dos jovens em viver seu amor proibido e decidiu ajudá-los.

Quando os perseguidores estavam a ponto de cair em cima do casal, não encontraram mais os dois. No lugar onde eles estavam abraçados, havia uma grande árvore de yvyrapytã (ibirapuitã?) enroscada por um muembe (ou imbé, para os brasileiros). E, assim, Chihy e sua amada viveram felizes e plantados para sempre.

Outras lendas:

Outra lenda da erva-mate.

A lenda da mandioca.

A lenda de Avati.

 

 

 

 

Outra Lenda da Erva-Mate

Por Rafael.

lenda da erva mate

Já foi publicado, aqui no blog, um artigo sobre a lenda da erva-mate do livro Leyendas y creencias populares del Paraguay. Agora, conheceremos mais uma lenda envolvendo essa erva tão conhecida dos habitantes do cone-sul, extraída desse mesmo livro.

Ela conta sobre uma garota de nome Ka’a que, distraída à beira de um rio, se encantou por um jovem guarani mbya que por ali passava. Depois de vê-lo, ao longe, ela não conseguia mais esquecer o seu rosto. Mais tarde, descobriu que o rapaz passaria um tempo em sua aldeia e ficou muito feliz. Fazia de tudo para estar nos mesmos lugares que ele.

Acompanhe nossa webcomic.

Acreditando que o rapaz lhe correspondia os olhares, ela ficava cada vez mais entusiasmada. E, para completar, todas as noites, ele aparecia em seus sonhos, ela estava enfeitiçada.

Em uma dessas noites, ela se levanta, como que guiada por alguma força desconhecida, que conduz seus pés para algum lugar. Na sua mente, apenas a imagem do belo mbya. Seu trajeto termina na beira do rio, aquele mesmo, onde ela conheceu o rapaz. E, para o espanto da garota, lá estava ele.

Ela o abraça com força e confessa o seu amor. O jovem parece ter sido pego de surpresa, não sabe o que fazer. Então, o inesperado. O mbya agarra sua machadinha de pedra e golpeia a cabeça da garota, que morre antes mesmo de cair no chão. Depois disso, simplesmente vai embora, deixando Ka’a ali, mesmo, na beira do rio, com a cabeça se esvaindo em sangue.

Muitos anos se passam e o jovem envelhece. Ele, que passou a vida toda carregando o peso daquela morte, ao ver seu fim chegando, volta para a beira daquele mesmo rio. Lá, onde Ka’a morrera, havia crescido um belo arbusto. Sentou-se em uma pedra ao lado daquela da planta e, enquanto meditava, agarrava algumas daquelas folhas e as levava à boca, mascando-as. As folhas, de algum modo, aliviaram o peso na alma do velho mbya  e ele, enfim, pode morrer em paz.

Conheça outras lendas:

 

 

 

Quadrinhos e mitos populares – A Liga dos Pampas

Por Rafael.

a liga dos pampas

As histórias fazem parte da identidade de um povo. Através delas, pode-se construir significados, memórias, características, sentido coletivo, etc. As nações costumam construir narrativas épicas para exaltar suas histórias, seus feitos, seus supostos valores, enfim, tudo aquilo que lhe confere identidade e as fazem ser o que é.

Os mitos e lendas de cada povo ou nação, com seus personagens e seus dramas fantásticos, também contribuem na construção dessa identidade, na transmissão de costumes e valores.

Na indústria de entretenimento, vemos muitos exemplos de utilização desses personagens mitológicos nos mais diversos meios. São inúmeros os filmes, livros, videogames e histórias em quadrinhos em que figuram vampiros, lobisomens, duendes, minotauros, elfos, sereias, fadas, cavalos alados, anjos, demônios, deuses gregos, egípcios ou nórdicos, etc. Talvez, nesse caso, as histórias sejam mais um passatempo moderno do que um meio de transmissão de valores e identidades. Essa ideia pode ser contestada, e são vários os trabalhos acadêmicos que analisam os impactos da mídia de massa na construção de significados e identidades.

Simples entretenimento ou não, que tal se os contadores de histórias se baseassem nos mitos populares dos lugares onde vivem? Que caminhos seriamos levados a trilhar? Que sentidos produziríamos?

É o exemplo de A Liga dos Pampas, história em quadrinhos de Jader Correa (roteiro e desenhos), com a participação de Guilherme Smee no roteiro. Lançada em 2017, a obra nos traz as aventuras de um grupo diferente de heróis. Não é possível afirmar, mas o título e a história parecem fazer referência à conhecida Liga Extraordinária, história em quadrinhos em que o escritor Alan Moore une diferentes personagens clássicos da literatura, como Alan Quarteraman, Dr. Jekil e Mr. Hyde, o Homem Invisível e o Capitão Nemo. Personagens criados no final do século XIX, época da revolução industrial e do desenvolvimento científico e tecnológico na Europa.

De maneira parecida, A Liga dos Pampas unirá personagens da literatura pampeana. Cujas histórias se tornaram conhecidas num período parecido com o dos personagens europeus citados, o final do século XIX, ainda que numa realidade mais rural, menos tecnológica. Aqui, encontraremos o lendário Negrinho do Pastoreio junto com a conhecida Salamanca do Jarau, os dois se unem ao contador de causos Blau Nunes, o aventureiro sem-fronteiras Martin Fierro e o mito guarani do Anguera.

Ao longo da história, os personagens vão se unindo, tendo como guia a Salamanca do Jarau, uma feiticeira que tem contato permanente com os seres do além, e ela que descobre a aproximação de um grande mal ao nosso mundo.

Assim como a Salamanca, cada personagem contribuirá com suas características para a aventura, o Negrinho, com seu poder de localizar qualquer coisa, o Blau com sua esperteza e senso de oportunidade, Martin Fierro com sua coragem e o Anguera com seu poder sobre a madeira (lembrando um pouco o que o mutante Magneto faz com os metais) .

A história em quadrinhos possui uma narrativa muito ágil e fluida, prendendo o leitor do começo ao fim. As cores muito suaves incrementam a atmosfera da história e a publicação ainda conta com as páginas de prólogo e epílogo desenhadas por Matias Streb, que trabalha muito bem com a aquarela.

A Liga dos Pampas é uma obra que possui potencial para ser usada também em sala de aula, por sua linguagem e por sua temática. Trazendo aos estudantes, referências da mitologia do sul do Brasil e pampeana, de uma forma fácil e divertida.

Não deixe de conhecer essa história. Você pode fazer contato com a editora Edibook, contato@edibook.com.br.

Até a próxima!

Artigos relacionados:

Flavio Colin: O Brasil em quadrinhos

Sepé Tiaraju

Povos Indígenas em Quadrinhos

Os Índios de André Toral

Fantástico colonial

Investigação Colonial

As Missões nos Quadrinhos