ÊXODO – Página 12

página de quadrinhos

Eva e usa sua magia.

Anúncios

ÊXODO – Página 11

página de quadrinhos

A batalha tem início…

 

Sepé Tiaraju

Por Rafael.

sepé tiaraju

Uma das páginas da HQ.

Muitos conhecem a história do cacique guarani Sepé Tiaraju. Aqui no blog ele foi citado em uma postagem. Recentemente, descobri uma publicação da Câmara dos Deputados de Brasília, do ano de 2010, homenageando essa figura que agora se encontra no “Panteão dos Heróis da Pátria”, por iniciativa do então deputado federal, Marco Maia, do PT.

Não sei, exatamente, que “pátria” Sepé teria defendido. Acredito que não uma que escraviza negros e índios. Porém, a publicação comemorativa da ocasião, lançada pela Câmara, é uma História em Quadrinhos de autoria de Luiz Gatto (roteiro) e Plínio Quartim (arte), muito instrutiva e pronta para ser usada em escolas como base para um debate. A história exagera um pouco na questão da harmonia entre jesuítas e guaranis, como se os últimos tivessem aderido “naturalmente” ao cristianismo, mas a obra não perde importância. Pode ser baixada no seguinte link.

Nheçu: no corredor central (resenha)

Por Rafael.

nheçu

É bem conhecida, entre os habitantes do Rio Grande do Sul, a história do cacique Sepé Tiarajú, que liderou os guaranis na luta contra os impérios espanhol e português para defender os Sete Povos das Missões.

Uma figura menos popular é a do cacique Nheçu. Esse personagem perdido da história do Rio Grande do Sul foi poucas vezes retrato na bibliografia historiográfica ou literária, e quase sempre figurando como vilão. Uma destas raras obras é o livro Nheçu – no corredor central, do escritor Barbosa Lessa, publicado pela Editora do Brasil, em 1999.

Numa linguagem literária, um pouco voltada para o público juvenil, o livro traz o dia-a-dia dos habitantes de uma aldeia guarani próxima ao rio Uruguai, numa área conhecida como colina do Maçambará. Lá pelas tantas, chega na aldeia a notícia de que os “roupas-preta”, como são chamados os jesuítas, estão nas proximidades da aldeia. A notícia foi recebida com apreensão pelo povo. Temerosos, pois já tinham ouvido falar das histórias de escravidão que vinham logo depois da cristianização.

Nheçu foi um cacique que se opôs à influência cristã sobre os seu povo. Talvez por isso seja menos lembrado que Sepé Tiaraju, que era um guarani cristianizado. Em alguns livros, ele é colocado como responsável pela morte dos famosos “três mártires riograndenses”: os padres Roque Gonzales, Afonso Rodríguez e Juan de Castillo. Fundadores da redução de São Nicolau e outras. Mas, a história de Barbosa Lessa, o coloca como alguém que, ao mesmo tempo em que se opunha aos cristãos, respeitava muito a figura dos jesuítas, principalmente a do padre Roque Gonzales. Não tendo sido ele o fomentador da guerra que se travou entre os guaranis não-cristianizados e os outros, ainda que não tenha feito nada para evitá-la.

Com ilustrações de Fernando Merlo, a obra é uma boa referência inicial a esse personagem, contando também como uma forte pesquisa sobre o modo de vida original dos guaranis. Fica a dica.

A ameaça jesuítica! – O Uraguai, de Basílio da Gama.

jesuítas

Por Rafael.

Antes do advento do romance, a principal forma de narrativa circulante no mundo ocidental era o poema épico. Como exemplo, temos a Ilíada e a Odisseia, Os Lusíadas,  o Caramuru, entre outros. Neste post, e nos próximos, comentarei, brevemente, alguns aspectos de O Uraguai, poema épico lançado no ano de 1769, que narra a chamada guerra guaranítica, conflito que colocou os exércitos de Espanha e Portugal contra as reduções jesuítico-guaranis dos Sete Povos das Missões, instaladas, então, na margem oriental do rio Uruguai. Hoje, território do estado Rio Grande do Sul.

Vivenciamos, na atualidade, uma chamada “guerra de narrativas”. Aquelas discussões sobre “nazismo de esquerda”, sobre nunca ter havido ditadura no Brasil, sobre os portugueses não terem praticado a escravidão, sobre os próprios índios serem os destruidores do meio ambiente, etc. Ou seja, uma maneira de distorcer a História para que ela se esteja de acordo com determinada ideologia, determinada visão de mundo.

O Uraguai, escrito por Basílio da Gama, arrisco dizer, faz um pouco disso. Retratando, em seus versos, os jesuítas como ardilosos manipuladores dos inocentes guaranis. Estes, apenas pobres selvagens. Quanto a Gomes Freire, comandante das forças portuguesas, cabe o papel de valente general. Homem rigoroso, mas também sensível, que não sente  euforia por sua tarefa de exterminar milhares de pessoas. Outro elevado a condição de herói divino é o primeiro-ministro português, o Marquês de Pombal.

No século XVIII, a coroa portuguesa e a Cia. de Jesus não atravessavam um bom momento no seu relacionamento. Portugal vivia certos ares iluministas e o fim da ingerência da Igreja nos assuntos do Estado era conveniente, na época, para o Marquês, que não mantinha hábitos moralmente aceitos. Depois da realização do Tratado de Madrios jesuítas passaram a ser vistos como verdadeiros inimigos da Coroa portuguesa, acusados de estarem tramando um plano secreto para dominar o mundo. Lembrando muito a atualidade, com Olavo de Carvalho denunciando o chamado “Foro de São Paulo”, uma “conspiração comunista-bolivariana-gay-globalista internacional”.

Em um trecho do poema épico, no seu Canto Quinto, depois de invadirem São Miguel das Missões, Gomes Freire e seus homens adentram a catedral e admiram um afresco pintado na abóbada, assim Basílio da Gama relata:

Na vasta curva abóbeda pintara

  A destra mão de artífice famoso    

 Em breve espaço, e Vilas, e Cidades,

 E Províncias e Reinos. No alto sólio

   Estava dando leis ao mundo inteiro                                                                                                  A Companhia. (…)

A “companhia”, no caso, se refere a Cia. de Jesus, claro.

Assim é a História, escrita pelos vencedores.

Até a próxima.

Juan Diego, o padre desaparecido

Outro personagem de YVY, o padre Juan Diego, teve breve aparição no episódio 1. O inusitajuan diegodo padre chegou à redução para investigar o caso do gado que aparecia morto. Descendente do povo nahuat, do México, ele possui ideias sobre o universo que se chocam um pouco com o que a igreja católica pensa, assim, ele está disposto a averiguar um problema por mais de um ponto de vista.

Esse personagem foi inspirado em um Juan Diego verdadeiro. Se trata do mestiço mexicano que testemunhou a dita aparição de Nossa Senhora de Guadalupe, no século XVI. Configurando um interessante caso de sincretismo católico e “pagão”.

O padre Juan Diego desapareceu no episódio 1, Ele voltará?

Padre Antônio, outro protagonista

Padre AntônioOutro personagem importante de YVY é o Padre Antônio, o administrador da redução fictícia da nossa série. Como todos os jesuítas da Cia de Jesus, nosso pacato sacerdote é versado em diversos idiomas e conhecedor das mais diversas artes e áreas de conhecimento, desde música, passando por metalurgia, arquitetura, astronomia, escultura e medicina.

 

Em um trecho do primeiro episódio, Padre Antônio revela que sua terra de origem seria o Tirol, uma região entre o norte da Itália e o sul da Áustria. Esse personagem é diretamente inspirado em outro Padre Antônio, o verdadeiro, já citado aqui no blog. Por que alguém deixaria o interior da Europa para atravessar o Atlântico e se embrenhar no coração da América colonial? Quem sabe? Continue acompanhando a série!

Silêncio: Martin Scorcese e os jesuítas

Por Rafael.

carta do filme Silêncio

Fonte: http://t2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQK7gV4wOuqoc1gey_zDlDdWCIQYFbFtdtt16DAi10PlQv6nfu6

A série YVY tem como cenário as missões jesuíticas no conesul da América. Por isso, o trabalho de pesquisa para a sua produção se debruçou um pouco sobre a história desses que eram considerados os soldados de Cristo, os jesuítas da Cia de Jesus. Nesse sentido, é preciso citar o filme Silêncio, do diretor Martin Scorcese, como um dos materiais pesquisados.

Já havia tomado conhecimento da aventura e o martírio dos padres jesuítas no longínquo Japão, ao ler o livro Viagem às Missões Jesuíticas e Trabalhos Apostólicos, outra referência usada na série YVY. Por isso, o filme me chamou a atenção quando foi lançado no Brasil, em 2017. Não se trata do filme mais aclamado do famoso diretor, mas tem o mérito de levantar fortes questões sobre fé e religião e, principalmente, sobre a importância, ou não, de se levar esse trabalho de conversão de outros à sua religião.

Nele, somos levados a nos horrorizar quanto à brutalidade com que o xogunato japonês do século XVII tratou aqueles que tentavam levar a influência estrangeira às suas terras. O protagonista do filme, o padre português Sebastião Rodrigues, interpretado por Andrew Garfield, se vê passando pelas mesmas dificuldades que os clandestinos cristãos primitivos passaram durante boa parte do império romano, tendo que viver fugindo e se escondendo, enfrentando torturas e martírios diversos. O silêncio, nesse caso, título do filme, pode dizer respeito ao modo como os cristãos japoneses deveriam viver para escapar da perseguição. Em silêncio. Mas o silêncio vai se manifestar no filme de muitos modos, o espectador que faça sua avaliação.

É bom lembar que violência em nome da religião também foi praticada largamente pelos cristãos, não só na idade média ou nas cruzadas. A Santa Inquisição que o diga.

De qualquer modo, a história dos jesuítas no Japão acabou inspirando um personagem da série YVY, você vai conhecê-lo no terceiro episódio, em fase de produção. Aguarde!

Até a próxima.